[GP China] Classificação e Uma Nova Fórmula 1

Hamilton e o novo tom da F1

por Júnior Ribeiro

A temporada 2017 marca uma nova Fórmula 1, não só pelo regulamento, mas também pelo novo equilíbrio de forças e pela pegada mais voltada ao fã por parte dos novos gestores da Categoria Máxima do Automobilismo Mundial. E isso se manifestou de forma ainda mais clara nesse final de semana.

Conferência após a classificação. Bottas explica a real distância entre ele e Vettel

Com o clima prejudicando completamente os trabalhos de pista na sexta-feira, restou aos pilotos e equipes a tentativa de entreter o público de outras formas, como fotos, distribuição de bonés etc. Algo que segundo alguns deve ser cada vez mais incentivado, de forma mais efetiva, especialmente no intervalo entre as atividades.

Também protagonista na China, a meteorologia deixou todos em estado de alerta. Visto que não é permitido atividade de pista sem que existam condições de transporte rápido entre o circuito e o hospital mais próximo, o que geralmente é feito por helicóptero. Possibilidades pouco ortodoxas foram levantadas, como a alteração na programação, mas a solução encontrada parece ter sido, em caso de impossibilidade voo, o transporte terrestre com escolta até um hospital secundário mais próximo.

Ferrari

A Ferrari liderou o terceiro Treino Livre e parecia sobrando quando Vettel marcou o tempo mais rápido no Q1 com pneus mais lentos e quando Räikkönen marcou o melhor tempo no Q2. No entanto, quando foi para valer, Hamilton mostrou a que foi.

Mercedes

O clima estava difícil não só no céu, pois no paddock da Mercedes a apreensão era clara. Desacostumado a ser desafiado, Toto Wolf não teve medo de mostrar alívio pela conquista da poleposition, sendo saudado por Niki Lauda com um tapinha nas costas.

Williams

Lance Stroll parece ter aprendido a ficar na pista e mostrou certa consistência ao chegar até o Q3, tendo inclusive superado Felipe Massa no Q1. Já o brasileiro conseguiu o já esperado: mais um sexto lugar.

Outros Destaques

Alonso sem dúvida foi destaque no Treino Classificatório. Dando tudo de si, o espanhol conseguiu ficar em 10º no Q1, mas quando a décima posição foi realmente necessária ele não fez outro milagre e parou no Q2, algo que deve ser respeitado tendo em vista o desempenho da McLaren.

Hulkenberg apareceu satisfatoriamente no TOP 10 e isso mostra a evolução da Renault, já seu companheiro de equipe continua brigando pelas últimas posições. Giovinazzi, que tem substituído Wehrlein, marcou o 16º tempo, mas não pôde disputar o Q2, pois rodou e colidiu na conclusão de sua última volta, o que inclusive causou o atraso de 10 minutos nas atividades.

A expectativa é muito grande para a corrida, com possibilidade de chuva e com o bom ritmo de corrida e menor desgaste de pneus da Ferrari. A Mercedes, no entanto, não pretende dar a mesma oportunidade do último GP e erros de estratégia do tipo não devem surgir, mas o consumo de pneus continua um inimigo. E aí, qual a sua expectativa para o Grande Prêmio da China?

Aproveita e dá um confere no resultado da classificação. Até a próxima!