[GP Bahrein] Classificação e o novo significado para emoção

Mais do mesmo, só que mais parado

            É difícil iniciar um post sobre a Classificação para o GP do Bahrein sem falar sobre esse novo sistema de Classificação. Reservo-me o direito de utilizar a primeira pessoa nessa frase: achei promissora a ideia no GP da Austrália, mas me arrependi de minha animação inicial. Criticado desde a fase inicial, o novo sistema mostrou-se ainda mais insosso nesse final de semana – se a ideia era provocar o caos, isso só funcionou nos primeiros minutos, em que Nasr foi vaporizado pelo novo sistema, algo que quase não foi visto por quem esperava acompanhar a transmissão pelo SPORTV, que atrasou em 5 minutos para passar um clássico do futebol paulistano.

            Esse atraso de cinco minutos representou o corte da única parte emocionante da Classificação, visto que no Q2, exceto por Hulkenberg que melhorou sua posição e por Bottas que resolveu dar um passeio desnecessário, o Circuito de Sakhir voltara a ser um deserto. O novo sistema de Classificação tornou-se mais um jogo de cronômetros, calculadoras e pressão mental, sem carros na pista. Calculando as poucas chances e sem oportunidades de voltar a pista após a troca de pneus, a maioria preferia esperar ser cortado já fora dos carros.

PASCAL WEHRLEIN

Esse menino vai longe

Ao contrário do sempre esperado no último ano, a Manor não foi a última dos últimos. Rio Haryanto superou Felipe Nasr e sua Sauber, ao passo que Pascal Wehrlein, piloto pupilo da Mercedes conseguiu um 16º lugar, ou seja superou as duas Sauber, as duas Renault, Perez e seu companheiro de equipe. A franzina MRT mostra que 2016 não será um “mais do mesmo” em sua vida.

BICO DA WILLIAMS

O bico milagroso

O tão esperado equipamento de Felipe Massa ainda não mostrou a que veio, sendo superado por Bottas em 2 milésimos, ao menos ficou claro que não é uma grande perda. Obviamente ainda há muito a ser ajustado, visto que esse é um esporte dos mínimos detalhes. Resta esperar os  ajustes para o próximo GP, quiçá para a corrida de amanhã.

TRANSMISSÃO

Um show a parte

A transmissão do SPORTV é um show a parte. Liderada pelo “sem papas na língua” Sérgio Maurício e acompanhada por Lito Cavalcante e Max Wilson, fez um chover um show de críticas ao novo sistema classificatório. Sendo taxado de promovedor de anti-clímax e de cruel. Lito ainda amenizou alegando a emoção do corte em contrapartida a crueldade do mesmo. No entanto, é consenso, entre comentaristas e boa parte dos fãs que a adoção desse sistema não é o ideal.

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO

Deveria ser o mesmo?

Há quem diga que dentre as muitas coisas que necessitam ser mudadas na Categoria Máxima do Automobilismo, o Sistema de Classificação não era uma delas. Fala-se em dar mais emoção aos treinos livres e à corrida, mas o que se conseguiu foi tirar a emoção de onde já tinha pouco. A categoria que tanto emociona e que tanto move em capital e em número de fãs vive uma crise sem precedentes, amarrada por uma política antiquada e pouco participativa, que muito pouco corresponde às expectativas dos fãs.

 

RESULTADO

Quase esperado

Apesar da pressão de Rosberg em todo o final de semana, Hamilton levou a melhor e ficou com a Pole. Agora resta a expectativa para a largada amanhã. Vale lembrar que Kevin Magnussen largará dos boxes, por não ter parado após o Treino Livre para a pesagem. Veja abaixo a tabela de classificação.

Bahrein 2016 Classificação

Os fãs permanecerão fãs, porque são fãs. Mas é preciso pensar no futuro da categoria como um todo.