[GP Rússia] Sem surpresas

por Jaqueline Trevisan Pigatto

6cec7f04-e168-42f7-adb2-b8feb78ef352_800

Finalmente a F1 voltou a ter corridas melhores que treinos classificatórios, ainda que seja metade da corrida boa e a segunda metade mais fraquinha. Em mais um episódio da hegemonia alemã, os desdobramentos de uma largada inesperada trouxeram emoções para o GP da Rússia, mas que logo se estabilizaram e levaram Nico Rosberg à sua quarta vitória dos 4 GPs de 2016.

Sebastian Vettel protagonizou os primeiros minutos da corrida, ao ser vítima do russo Kvyat. Os pilotos, que já sofreram um toque e tiveram uma discussão no último GP em Xangai, voltaram a se tocar, novamente por culpa do piloto da RBR, só que dessa vez Vettel foi levado ao muro e, consequentemente, abandonou a prova. Seu rádio, cheio de palavrões, expressou bem a raiva do alemão. Vettel até voltou para o paddock pilotando a moto do fiscal que foi ao seu resgate. A transmissão da FOM continuou mostrando a saga de Vettel durante a corrida, dando entrevistas para a imprensa, revendo o momento do acidente e indo até os boxes da RBR falar com o ex-chefe Christian Horner. Apesar de a culpa ter sido de Kvyat, a largada agressiva de Vettel lembrou muito o piloto alemão de 2010, primeiro ano que foi campeão, onde cometia inúmeros erros como esse mesmo que Kvyat causou. Acontece com os melhores jovens pilotos. Assim, Vettel e Hulkenberg estavam fora e o Safety Car foi trazido a pista. Rosberg largou confortavelmente no que seria uma liderança de ponta a ponta.

Räikkönen e Bottas voltaram a protagonizar belos duelos. Os finlandeses tiveram árduas disputas, mas o único piloto da Ferrari a correr em Sochi levou a melhor. Bottas, por sua vez, venceu o duelo interno da equipe Williams. Enquanto Massa fez uma corrida estável e sem grandes momentos, Nasr batalhava para andar com sua Sauber, sendo até mesmo ultrapassado por uma Manor. São dias negros para a equipe suíça, que mostra um declínio imenso com relação ao ano passado, colocando em questão o futuro do jovem piloto brasileiro.

Por falar em equipes com dificuldades, o dia foi positivo para a McLaren, que terminou com seus dois pilotos na zona de pontuação. Alonso se beneficiou da confusão da largada e terminou em 6°. Button entrou nos pontos no final da corrida, terminando em 10°. A RBR teve resultados discretos no dia em que Kvyat só chamou a atenção negativamente. O show de ultrapassagens que vimos na China infelizmente não se repetiu em Sochi, onde as estratégias de pneus e as paradas foram os grandes responsáveis pelas trocas de posições dos pilotos. O GP terminou assim:

2d5ba5fd-7945-416e-8bdf-49351b1ac77c_800

Recebendo o troféu das mãos do presidente Vladimir Putin, Rosberg vibrou mais uma vez e manteve momentos de grande frieza com Hamilton nas imagens transmitidas após a bandeirada. Räikkönen marca com sua terceira posição o pódio de número 700 da equipe Ferrari, consolidando também uma temporada de constantes bons resultados, estando em 3° no campeonato. Abaixo você confere como está a situação, agora que Rosberg marca 100 pontos na liderança. O próximo GP acontece na Espanha, dia 15 de maio.

Posição

Piloto

Pontos no campeonato

1

Nico Rosberg

100

2

Lewis Hamilton

57

3

Kimi Räikkönen

43

4

Daniel Ricciardo

36

5

Sebastian Vettel

33

6

Felipe Massa

32

7

Romain Grosjean

22

8

Daniil Kvyat

21

9

Valtteri Bottas

19

10

Max Verstappen

13

11

Fernando Alonso

8

12

Kevin Magnussen

6

13

Nico Hulkenberg

6

14

Carlos Sainz

4

15

Sergio Perez

2

16

Jenson Button

1

17

Stoffel Vandoorne

1

18

Jolyon Palmer

0

19

Marcus Ericsson

0

20

Pascal Wehrlein

0

21

Felipe Nasr

0

22

Esteban Gutierrez

0

23

Rio Haryanto

0

1fa388778138ad445358f34a328283b3