[GP Bélgica] Vitória Real e Vitória Moral

Estamos de volta: largada, pneus e bandeira vermelha

por Júnior Ribeiro

Webber bebendo Champagne no sapato

As Primeiras 10 Voltas

Após esse mês de férias, os fãs de Fórmula 1 estavam ansiosos para esse que é um dos favoritos dentre os Grandes Prêmios. Contando com um longo percurso, uma primeira curva extremamente fechada (La Source) e uma das mais emocionantes curvas de todo o campeonato (Eau Rouge + Raidillon) logo adiante, a Bélgica não deveu em nada no quesito emoção.

Logo no início tivemos a má largada de Verstappen, que foi superado por Vettel e Raikkonen. Na primeira curva Vettel não deu muito espaço para seu companheiro de equipe, que acabou encaixotado por ele e por Max. Resultado: se tocaram e os três perderam muitas posições. Ricciardo, no entanto, aproveitou a oportunidade e partiu para a segunda posição. Massa aproveitou a confusão e ganhou cinco posições, Nasr havia saltado para 11º, mas teve que trocar um pneu furado.

Após uma série de pneus furados, asas danificadas e uma pequena chama no carro de Raikkonen, a corrida seguiria tranquilamente até que na Volta 6 Magnussen perdeu o controle de sua Renault na saída da Raidillon e bateu forte. Com a batida, um dos equipamentos de proteção de cabeça saltou do carro. Apesar da impressionante batida, o piloto saiu andando, amparado por fiscais de pista. Os carros seguiriam com SC até a volta 9, quando foi dada bandeira vermelha, para que a barreira de pneus pudesse ser recomposta no local em que Magnussen bateu.

Hamilton

Acumulando 60 posições de punição, era esperado um show de ultrapassagens e assim aconteceu. Largando com pneus médios, Lewis só observou quando as duas Ferrari e Verstappen facilitaram seu trabalho e se tocaram. Já na relargada, Hamilton aparecia em quinto. Uma promessa de belo resultado. E assim aconteceu, Hamilton finalizaria em terceiro lugar, conquistando um lugar no pódio e mantendo uma vantagem razoável para Rosberg.

Massa e Williams.

Com seu salto na largada e uma estratégia aparentemente acertada de trocar os pneus no Virtual Safety Car no início da corrida, Felipe Massa parecia destinado a uma posição razoável. No entanto, as longas voltas de Spa mostraram o lugar das Williams na classificação. Na parte final da corrida, Massa que sofria pressão forte de Perez e não conseguia se aproximar com determinação de Alonso, foi superado pelo Mexicano, por Vettel, por Bottas e por Raikkonen, finalizando sua corrida em 10º. Com o resultado dele e de seu companheiro, a Force India finalmente superou a Williams no campeonato, ainda que seja por apenas 2 pontos.

Alonso e McLaren

Largando na última fila do grid, Alonso mostrou consistência e sustentou a sétima posição com sua ascendente McLaren. Button foi tirado logo no início da corrida, quando Wehrlein perdeu o ponto da freada e o acertou. De qualquer modo, o resultado demonstra o avanço claro da McLaren e seu projeto.

Conclusão

Rosberg fez o dever de casa e conquistou a vitória, mas foi Hamilton quem conquistou a vitória moral, apesar de ter ficado em terceiro lugar e ter sua vantagem diminuída. A Force India surge cada vez mais como quarta força do campeonato, ao passo que a Williams ainda em um longo trabalho pela frente. Na teoria, espera-se um bom desempenho da equipe de Felipe Massa no GP da Itália, mas o desempenho das Force India em pista de alta não pode ser ignorado.

Veja como ficou o Campeonato e não deixe de acompanhar as próximas emoções conosco.

Belgica 2016 Constructor Standings

 

 

 

 

 

Belgica 2016 Driver Standings

 

 

 

 

Belgica 2016 Corrida