História: Desfile de Campeãs – Parte 2

As Bicampeãs

Continuando o desfile das grandes campeãs da Fórmula 1, segue abaixo o seleto grupo das equipes que conquistaram o feito duas vezes.

BICAMPEÃS

Cooper

Nacionalidade:

Permanência: 1950 – 1969

Título: 1959 e 60

Com 16 vitórias no currículo e pilotos como Jack Brabham, Bruce McLaren (1937 – 1970) e Stirling Moss, a equipe britânica conquistou o bicampeonato consecutivo em 1959 e 1960. Tendo estreado em 1950, teve seu último GP em 1969, em Mônaco. A última vez que subiu ao ponto mais alto do Pódio foi na África do Sul, em 1967, com Pedro Rodríguez (1940 – 1971).

Cooper 1960

Brabham

Nacionalidade: britânica

Permanência: 1962 – 1992

Título: 1966 e 1967

30 anos disputando corridas pela F1, 402 GPS, 35 vitórias, 39 poles e 105 pódios. Números bem expressivos para uma das mais conhecidas e importantes. Fundada por Jack Brabham (1926 – 2014), tricampeão de F1 (1959, 60 e 66 – 2 títulos na Cooper e 1 título na Brabham), participou de sua primeira corrida no GP da Alemanha, em 1962. Contou com grandes pilotos como o próprio Jack Brabham, Riccardo Patrese, Carlos Reutemann, José Carlos Pace, Wilson Fittipaldi Jr, Nelson Piquet (2 de seus 3 títulos foram conquistados na equipe), entre outros. A última vitória do time foi em 1985, no GP da França.

Brabham 1967

Renault

Nacionalidade: francesa

Permanência: 1977 – 1985, 2002 – 2011, 2016

Título: 2005 e 2006

Desde 1977 com uma história quase ininterrupta no fornecimento de motores, 2 títulos no Mundial de Construtores e 2 títulos no Mundial de Pilotos (Fernando Alonso), a Renault aceitou o desafio e, após retomar a Lotus, reiniciará suas atividades como Construtora na F1 em 2016. Carlos Ghosn (CEO da Renault) antecipou que, embora desejem a vitória, sabem que esse é um trabalho de longo prazo. O retorno da Renault tem significado positivo, especialmente após o destempero que houve entre a fornecedora e a Red Bull, fato que ameaçou a continuidade das duas na categoria. Passaram pela equipe nomes como: Alain Prost, Bruno Senna, Robert Kubica, Romain Grosjean, Nelsinho Piquet, Jarno Trulli, Giancarlo Fisichella, Nick Heidfeld e outros.

Renault 2006

Mercedes

Nacionalidade: alemã

Permanência: 1954 – 1955, 2010 –

Título: 2014 e 2015

A atual bicampeã da Fórmula 1, mais famosa como fornecedora de motores (especialmente pela longa parceria com a McLaren), conseguiu, de forma prodigiosa, dominar o novo regulamento de Unidades de Potência. Desde o início do novo regulamento, em 2014, vem demonstrando uma superioridade muito difícil de ser batida. No ano de 2015, apesar das eventuais surpresas proporcionadas pela grande evolução da Ferrari, conquistou seu segundo título no Mundial de Construtores sem qualquer dificuldade.

Iniciou suas atividades na Categoria Máxima do Automobilismo em 1954 e concedeu a Juan Manuel Fangio duas conquistas de Campeonato consecutivas, o 2º e o 3º da carreira do pentacampeão. No entanto, um acidente nas 24h de Le Mans (84 espectadores morreram, além de um piloto) fez com que a gigante alemã só reaparecesse na F1 na década de 90, como fornecedora de motor.

Em 2010, após adquirir a Brawn GP, anunciou seu retorno como construtora, contando com ninguém menos do que o heptacampeão Michael Schumacher, que havia se aposentado. Apesar da grande expectativa, o alemão não rendeu muito e foi superado por seu compatriota Nico Rosberg nos 3 anos que permaneceu na equipe.

Mercedes 2015

Mercedes 1955

Juan Manuel Fangio – Mercedes (1955)